Páginas

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

HOMEM OU MULHER, EIS A QUESTÃO.

Hoje pela manha, li este post no Samba-canção do clickRbs, e nestes dias em que temos falado tanto em mulher no nosso municipío, resolvi públicar. E o grande medo dos homens, é sim perder para uma mulher, não só em relacionamentos pessoais, mas no futebol e tambem na politica porque as mulheres são muito mais eficientes em tudo o que fazem. 

Perder a mulher para outro homem tudo bem. Mas e se for para outra mulher?

Foto:sxc.hu
Perder uma mulher para outro homem, dizem, é muito simples e fácil. Existem milhares de frases no estilo “não deu assistência, abre para a concorrência”. E acredito que a máxima se enquadra perfeitamente em qualquer relação. Até porque eu, como homem, sei o quão ardilosos conseguimos ser e como podemos nos aproveitar das situações mais desesperadoras das mulheres — e isso é um assunto bom para outro post.

Mas e se perdêssemos a mulher (seja a amada ou o simples casinho, a ficante) para outra mulher? Na boca pequena há quem diga que é impossível competir. Ela, a mulher, proporciona a outra algo que nós, homens, não conseguimos. Não acredito nisso e explico melhor abaixo. Prefiro pensar que as mulheres conseguem ser mais doces, mais carinhosas, mais parceiras, mais amigas, menos estressadas (entre si) — e tantas outras outras coisas — do que alguns homens.

O que vou escrever a seguir não busca a generalização, mas analisar fatos: mesmo em um dia complicado e cansativo, mulher gosta (e quer) deitar no sofá abraçadinha. O homem, não. Ela quer conversar, conversar, conversar. Ele quer ficar quieto. Ela quer organizar a casa, pensar no que vão fazer no final de semana mesmo sendo terça-feira. Ela tem paciência para as mais diversas coisas. Ele é prático e prefere ir direto ao ponto, resolver logo o problema. E por aí vai. Ou seja: acredito que ela acaba “cansando” do diferente e procura o igual. Alguém que entenda e queira tudo isso aí em cima. Algumas acham isso em homens. Outras, acabam encantadas com o mesmo sexo. Preferências.

Ah, quer saber por que não acredito no “ela proporciona algo que nós, homens, não conseguimos”? Porque sei que é possível que um homem e uma mulher superem as carícias e os toques e os beijos e tudo o mais que se pode fazer em um momento entre duas mulheres. Depende, claro, do que o parceiro está disposto a dar para “o outro lado da moeda”. Tudo seria uma questão de ele lembrar que sexo é feito por duas pessoas e que as duas pessoas devem sair satisfeitas. E não aproveitar a mulher como se fosse uma boneca inflável.

Penso o seguinte: não é incomum o uso de vibradores no sexo entre mulheres. Logo, elas querem o que podemos dar — o que mata a tese popular acima. E chego a conclusão de que é a parceira que está usando o brinquedinho que faz a diferença. E, neste caso, se você perdeu sua mulher para outra procure melhorar e aperfeiçoar aquilo que você acredita ser ótimo. Pode até ser ótimo e colar com alguma, mas ela, que te deixou, quer — ou quis — algo estupendo. ela pode não ter falado nada, ok, culpa dela também. Mas você não soube perceber que a coisa não estava ótima como você pensava.

Postado por Johnny Saint-Claire, 26/08, no ClickRbs

Nenhum comentário:

Postar um comentário