Páginas

quinta-feira, 3 de março de 2011

ESQUERDA SIM, MAS SEM DINHEIRO PUBLICO, NÃO DÁ NÉ.

Jornalista mostra que a ultra-esquerdista Luciana Genro usa espaço público para interesse particular e recebe dinheiro de grandes empresas. Qual é a surpresa?

O blog do jornalista gaúcho Políbio Braga traz nota sob o título “Luciana Genro não se intimida e continua usando serviços públicos para seu cursinho particular”, com o seguinte teor:

“A ex-deputada Luciana Genro, principal líder do PSOL no RS e filha do governador Tarso Genro, não se intimidou diante das denúncias feitas aqui, que foram de duas naturezas:
1) recebimento de dinheiro para seu curso pré-vestibular por parte de cinco grandes grupos econômicos, capitaneados pela Icatu Seguros, seguradora que detém o monopólio de todos os seguros do Banrisul, banco estatal subordinado ao império de seu pai, o governador.
2) utilização escrachada de instalações e serviços públicos (Colégio Júlio de Castilhos) para promover inscrições para o seu curso pré-vestibular, em pleno andamento.

O site do curso, chamado Emancipa (duas turmas de 50 alunos cada, com professores bem pagos), foi desenvolvido pela Drops Midia Digital, a mesma que trabalha para a RBS e para uma das agências que fez a campanha do pai de Luciana, a Competence. Clique no endereço a seguir para saber mais sobre o curso: http://www.emancipa-rs.com.br/. O Twitter é http://twitter.com/emancipa.

A administração do curso fica no antigo comitê eleitoral de Luciana Genro, candidatíssima a vereadora, que faz campanha antecipada: Praça Otávio Rocha, 93, sala 21.

O cursinho de Luciana Genro não tem objetivo apenas didático, mas também político e ideológico, conforme ela mesma confessa. Está tudo inspirado na Associação 19 de Setembro, uma Oscip de São Paulo que ela clona. O Manual dos Professores deixa isto bem claro.”
Publicada a nota, o comentário: como se surpreender com o que narra Políbio Braga?

Muitos de nossos esquerdistas, no Brasil, são especialíssimos. Não apenas adoram utilizar a máquina pública, como também não tomam conhecimento de conflitos de interesses éticos nem hesitam receber um patrociniozinho de uma grande empresa, dessas que eles tanto criticam nos palanques e de quem tanto dinheiro recebem para suas campanhas eleitorais.

Coluna do Ricardo Setti/Veja

Um comentário:

  1. É exatamente esse tipo de coisa que impediu o PSTU de sair junto com o PSOL nas eleições. Nós somos um partido da classe trabalhadora e não aceitamos dinheiro de empresário de jeito nenhum, e o PSOL infelizmente não consegue manter esse mesmo compromisso. É uma pena.

    ResponderExcluir